Apito final

Gols, saques, xeque-mates, cestas, vibração. Nada escapou aos olhos atentos dos repórteres do Blog do Interband, que entaram em quadra para trazer os lances e curiosidades do campeonato até você. Graças ao trabalho de toda equipe de organização do Interband, do Departamento Cultural, Departamento de Esporte e à dedicação dos alunos, a torcida pode acompanhar no blog, no twitter e, pela prmeira vez, no facebook, toda a emoção das disputas entre grandes times escolares de São Paulo.

Além de informar o público, o blog do Interband é um projeto muito interessante para os alunos que se interessam pelo jornalismo, confira o que nossos repórteres acharam dessa experiência:

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=-8oT0K0GSac]

Final Futsal Masc Mirim – Arqui x Sabin

Por Maria Alice Gregory

O Interband, em seus últimos suspiros, apresenta um dos jogos mais decisivos e esperados do evento: a final de futsal mirim masculino entre Arquidiocesano e Albert Sabin. O clima fim-de-Interband contagiou um pouco a ambos times, que antes do jogo mostravam-se tranquilos e relaxados. A maioria dos pais estava presente; mesmo que não tivessem comparecido a todos os jogos, este não poderia ser perdido em hipótese alguma.

O técnico do Arqui, Jurandir, aguardava o time ao lado do ginásio. Na entrevista, respondeu não estar ansioso: “Não é nossa primeira final, e nem será a última.”, afirmou. Segundo ele, o time teve um excelente desempenho ao longo do campeonato e que esperava que pudessem fechar com chave de ouro apenas por continuar fazendo o mesmo que foi feito durante este tempo todo.

Do outro lado da quadra, Valdinei, técnico do Sabin, comentava com alguns pais que a semana havia sido movimentada e que isso os havia impedido de treinar. No entanto, respondeu à entrevista de forma calma e alegre; confirmou a empolgação dos jogadores, que brincavam entre si fazendo piadinhas e comentários do jogo em andamento e afirmou ter ótimas expectativas sobre o jogo do dia, uma vez que não haviam perdido um jogo sequer ao longo do Interband. A confiança, no entanto, deixava transparecer certo receio: ambas escolas já haviam se enfrentado em finais de campeonatos semelhantes (e também de outras modalidades) e a rivalidade prometia um jogo disputado e com grau técnico bem elevado.

Finais de campeonato admitem certos luxos que os outros jogos ‘comuns’ não permitem: um aquecimento mais elaborado e demorado, mais tempo de conversa com o técnico e prática de chutes e passes em um intervalo de tempo maior. A partida começou pontualmente às 4 horas. Nos 10 primeiros minutos de jogo, Arqui emplaca com o primeiro gol, seguido de um tempo pedido pelo técnico do Sabin. Foi notável o grande número de faltas durante a partida, em sua maioria cometidas pelo Arqui (os jogadores, em geral, eram maiores do que os do Sabin e isso os dava certa vantagem nas avançadas, mas deixava-as mais agressivas também). Enquanto isso, os meninos do Sabin mostravam seu nervosismo, adquirido após o primeiro gol, errando passes e chutes ao gol frequentemente. Valdinei pede tempo, e conversa com o time, dando-lhes novas táticas. A medida mostra-se eficaz: não demora muito até que saia o segundo gol do jogo, desta vez marcado pelo Sabin. Ambos times, ao final do primeiro tempo, mostravam-se incomodados pelo calor do ginásio e pelo sol escaldante que iluminava boa parte da quadra.

Intervalo. Arqui conversa com o técnico, Sabin pratica jogadas e tiros de meta. Começa o segundo tempo. Não muito depois, uma falha do goleiro dá brecha a mais um gol do Arqui. E logo depois, sai mais um gol, mas que foi anulado pelo árbitro, causando revolta geral na torcida e em Jurandir. Valdinei levanta as mãos, como quem diz que concorda e continua centrado no jogo. Mais uma falta, dessa vez do Sabin, rende o último gol do Arqui, deixando o placar 3×1. O ataque extremamente agressivo do Arqui revolta um pai do Sabin na torcida, que invade a quadra em pleno jogo para reclamar com o árbitro, alegando que este não marca todas as faltas cometidas pelo oponente e que estivesse sendo favorável ao Arqui. Depois do desentendimento, o pai é afastado e o jogo segue como antes.

Fim de jogo, três gols do Arqui contra um do Sabin marcam a vitória do Arquidiocesano do futsal mirim masculino do Interband de 2011.

Destaque e Medalha de Ouro no Futsal

Por Gabriel Fabri


O Colégio Bandeirantes derrotou o Sagrado Coração de Jesus no futsal, na categoria juvenil feminino. Após um primeiro tempo acirrado, que culminou em 0 a 0 e um torcedor expulso da quadra, no segundo tempo a craque Fernanda marcou um gol para o Bandeirantes, garantindo a vitória do time da casa.

A capitã do time, Tathiane Franco, foi entrevistada pelo blog com o troféu e o certificado da vitória em mãos, além da camiseta de DESTAQUE do time e sua medalha de ouro. Confira o que ela tem a dizer:

Como você está se sentindo depois de um jogo tão difícil e uma vitória tão incrível do seu time, sendo ainda o grande destaque dele?

– Muito feliz, emocionada. To quase chorando!

Como foi participar do Interband?

– Foi desafiante, essa final principalmente

Você treina muito?

– Costumava treinar bastante, mas agora no terceiro ano é difícil ter tempo.

Você pretende seguir carreira de jogadora?

– Não, mas pretendo jogar muito ainda!

Foi a primeira vez que você ganhou o primeiro lugar?

– Não, acho chato dizer quantas já ganhei, mas foi mais de dez vezes!

O que achou da pequena, mas significante, torcida que vocês receberam? Seu

amigo foi até expulso da quadra…

– (Risos) Torcida sensacional!

O que te motiva a jogar e ganhar?

– Meu time, com certeza. Só ganho porque amo as meninas!

Você tem alguma consideração final a fazer para o blog?

– Amo as meninas do time, meu técnico, minha torcida e o repórter dessa entrevista!

O blog agradece Tati pela entrevista e parabeniza todas jogadoras!

 

S. Cruz 4 X 7 Doze de Outubro

Por Giovana Baptista

O frio não entrou na quadra com os times de futsal masculino da categoria infantil dos colégios Santa Cruz e Doze de Outubro . O jogo começou com a liderança do Doze de Outubro , que fez 4 gols seguidos , deixando o time do Santa Cruz um pouco desnorteado . Acaba o primeiro tempo e os técnicos , que surpreendentemente passaram toda a partida calados , deram diversas instruções para os jogadores . O segundo tempo começou e o discurso do técnico do Santa Cruz parece ter surtido efeito , pois logo o time marca um gol . Na metade do segundo tempo uma bola chutada por um dos jogadores do Santa vai para fora e acerta a mesa onde a equipe organizadora do Interband fica . A bola acertou a mesa com tamanha força que acabou quebrando-a . Acidentes a parte , apesar da reação do Santa Cruz, o Doze de Outubro não entrega o jogo , o placar final foi de 4 ( Santa Cruz ) X 7 ( Doze de Outubro) . O vencedor da partida disputou o ano passado a final de futebol com o Colégio Bandeirantes em um jogo duríssimo , mas o Band saiu vencedor. Quem será o campeão este ano?

Pequenos grandes jogadores

Por Giovana Baptista

Foi realizado hoje , quarta-feira 24 de agosto , o jogo de futsal entre a escola Lourenço Castanho e Granja Viana na categoria pré –mirim ( até 12 anos ) .

A escola Lourenço Castanho começo ganhando, no primeiro tempo fizeram 6 gols enquanto a Granja não marcou nenhum . Durante todo intervalo o técnico da Granja , Marcos Cordeiro , passou instruções para os seus jogadores e também puxou a orelha de alguns. Marcos disse que eles precisavam de confiança e vontade e que tinham “futebol para virar o jogo”. Terminou dizendo: “Se vocês não se empenharem não vai dar , vamos lá mandar ver “. O discurso parece ter surtido efeito e logo nos primeiros minutos do segundo tempo a Granja marcou um gol . Porém não foi o suficiente . O placar final foi Lourenço 9 x 1  Granja . O resultado do jogo surpreendeu alguns espectadores , pois a Granja havia jogado muito bem segunda-feira , 22 de agosto , e saído com uma vitória . Quando questionado sobre o motivo da derrota , Marcos disse que seu time é muito instável , há dias em que estão muito inspirados e fazem um gol atrás do outro , mas também há outros que estão desconcentrados e não conseguem sair com uma vitória .O técnico acredita que isso se deve a falta de maturidade de seus jogadores , pois ainda são muito novos .

Domingo de Futsal

Por Maria Alice G Silva

No time da Móbile, o clima era de tranquilidade: os jogadores, tranquilos, contavam com a vitória e brincavam uns com os outros. Ainda assim, não subestimavam o oponente, deixando claro que conheciam o histórico forte deles. O técnico Mário, bem humorado, explica que seria um jogo difícil e que esperava que os jogadores consiguissen mostrar em quadra o que mostram em treino. O time era composto em sua maioria por mirins recentes, em treinamento, mas já com histórico na carreira de pré-mirins. Mário também garantiu que seria um jogo tranquilo, pois não existem rivalidades entre a Móbile e outras escolas, pois o que vale é a experiência e não a competitividade.
A equipe do Arqui, enquanto os jogadores se alongavam calmamente, o técnico Jurandir aconselhava-os. “Torneios como o InterBand estimulam os jogadores”, afirmou. Jurandir, santista orgulhoso (o que deixou claro na entrevista), também comentou que o time contava com o desfalque de dois jogadores, mas que isso não afetaria na performance dos demais. “É nosso primeiro jogo com a Móbile, vai dar um bom jogo”.
No começo da partida, Mário estava agitado e orientava os jogadores com gestos e gritos. O goleiro do time, como um reflexo menor do técnico, também esbravejava com a defesa e com o ataque, que mesmo distante dele, não escapava de seus conselhos. Do outro lado, Jurandir mantia a calma e comentava uma ou outra jogada com jogadores próximos. Ao final do primeiro tempo, era notável a diferença de tom entre os discursos dos técnicos: Mário, energético, recomendava a cada um dos jogadores para que se esforçasse mais e não se deixasse influenciar pelo placar; Jurandir, sério, orientava o time de forma geral.

No segundo tempo, os jogadores da Móbile já arfavam e, depois do sétimo gol e com o final de partida próximo,  não demonstraram mais tanto esforço por sua parte. O ataque do Arqui estava notavelmente mais bem estruturado e agressivo, furando a defesa (que, todavia, não demonstrava tantas fraquezas graves) do adversário a ponto de terminar o jogo com o placar final de 8x 0 a seu favor.

CEB e Móbile enfrentam-se no futsal masculino

Por Nicole Villanueva

O jogo de Futsal masculino entre as escolas de Moema CEB e Móbile foi bastante movimentado. Prestes a entrarem em quadra, os técnicos e pais presentes, dos meninos de ambas as escolas estavam muito empolgados com o início da partida. Ouvia-se gritos de incentivo, e muita animação para esquentar esse sábado chuvoso.

No 1º tempo do jogo foram cobradas muitas laterais. Em um lance perigoso, o goleiro da Móbile sai de seu posto para ajudar seus colegas na cobrança de escanteio, perdendo a chance do gol. Houve muitos chutes ao gol das duas partes. Mas a alegria vem para os torcedores da Móbile, que, faltando 40 segundos para o término do 1º tempo, marca o primeiro gol. Dado o apito do juiz, a primeira parte do jogo termina em 1 x 0 para a Móbile. Logo, o técnico do time adversário faz reclamações ao juiz, questionando a distância do jogador para o gol, em vão.

Começa o 2º tempo. Com a quadra lotada, muito apoio dos torcedores, colegas e professores, as escolas dão duro no início. Mas o CEB não se deixa abalar pelo gol levado e pouco depois de um minuto de jogo, marca seu primeiro gol. Muito animados, os técnicos do CEB aplaudem seus jogadores, e pedem para “seguir em frente”. E eles assim, os obedecem, quando fazem o seu segundo gol, virando a partida. Ao perceber a desvantagem, a Móbile não recai: se mostra perseverante, até empatar o jogo.

Assim que a partida é empatada, o CEB pede por tempo, sendo negado. “Já que a chuva atrapalhou o andamento de todos os jogos, o tempo para os técnicos é inviável, pois atrasaria ainda mais as partidas a seguir.” Explica Daiana, que também é integrante da cobertura do InterBand.

Pouco tempo depois, faltando 3:46 para acabar o jogo, o CEB volta a pontuar, finalizando o placar em 3 x 2, garantindo sua vitória.

“ Estamos muito felizes pelos meninos, já que hoje foi o primeiro jogo fora deles, onde haveria tanta competição. Eles merecem essa alegria!” disseram os técnicos da escola, visivelmente orgulhosos de seus pequeninos.

 

“Curtindo” o Interband no fim de semana

Por Vivian Costa

E a bola está rolando durante a manhã e a tarde de sábado! A chuva atrasou um pouco os jogos, mas o Interband não para! Os times de Futsal, Handebol e Voleibol estão prontos para dar show dentro de quadra, e a torcida do Interband tem mais um meio de ficar ligada em todos os lances. Curta nossa página no facebook para acompanhar resultados, fotos dos jogos e muito mais!

E que venham as finais

Por Nadia Naomi Sato

O time infantil feminino de futsal do Colégio Bandeirantes jogou na noite de sexta-feira (19/08) contra o time do colégio Jesus M. José e garantiu umas das vagas para disputar a final. O placar do jogo terminou em 4 x 0 para o colégio da casa que comemorou a conquista com muita animação. Agora éesperar para a final que promete!

Bola de um lado e bola do outro, muita correria no jogo de handebol entre Colégio Bandeirantes e Magno. Os meninos do time da casa começou abrindo o placar, arrancando elogios do professor De Simone. Apesar das boas defesas do goleiro e de muitos gols bandeirantinos , o Magno conseguiu virar o jogo e garantir seu lugar na final com o placar de 14 x 12.

Contra o tempo

Não só os últimos segundo de jogo são decisivos em qualquer modalidade esportiva. Os minutos que antecedem a partida são

também essenciais para o aquecimento, a concentração e o sucesso dos times. E, para que este tempo seja bem aproveitado, é necessário que as equipes cheguem com antecedência nos locais de jogo.
Mas, como ser sempre pontual vivendo em uma cidade como São Paulo, com seus tão conhecidos problemas de trânsito chuvas inesperadas? É preciso compreensão e jogo de cintura para driblar as dificuldades da selva de pedra.
Algumas das equipes participantes do InterBand 2011 passaram por problemas de atraso, mas nenhum foi tão grave a ponto de impossibilitar as disputas até agora.
“Quando a equipe consegue nos informar do atraso, não há nenhum problema” explica a professora Carla Gennari.
Segundo a equipe Educação Física do Band, os próprios técnicos e jogadores se esforçam para que esse tipo de problema traga o menor transtorno possível. Em muitas ocasiões,  o tempo das partidas  é reduzido para que o atraso não afete o jogo seguinte, evitando assim um “efeito cascata”.
Tolerância sem dúvidas faz parte do espírito esportivo.