Bandeirantes vence basquete mirim por um ponto

Por Ulysses Faria

O Bandeirantes venceu a equipe do Rainha dos Apóstolos na final do basquete mirim masculino por 21×20 e levou o título.

No primeiro tempo, a equipe do Rainha conseguiu dominar o Bandeirantes, que se encontrava taticamente desorganizado. Já no segundo, apesar do Rainha abusar no número de faltas, o Bandeirantes não aproveitou os lances livres. Em um momento de entrega do Band, o jogo foi levado para a prorrogação.

Na prorrogação houve uma superação completa da equipe do Bandeirantes, que, no último segundo, converteu um lance livre, vencendo a partida e levando o título de campeão.

Após o término, o técnico Paulo Godoi, do Bandeirantes, estava visivelmente emocionado.  Já a técnica Vânia Amaro, do Rainha, admitiu: “Faltou treinar e aproveitar as oportunidades de ataque”. E criticou a arbitragem. ”Pra eles era só lance livre e, pra gente, só periférica. Mas isso não faria diferença se tivéssemos aproveitado as chances”, finalizou.

Adiado

ginásioO jogo do infantil feminino Band x São Luis foi tranferido para amanhã, às 11:20h, porque os alunos do colégio São Luís tiveram um simulado neste sábado de manhã. “Tínhamos uma janela de horário neste domingo. Então alteramos a data do jogo para que o São Luís possa jogar”, disse Paulo Godoi, do Bandeirantes.

Aconteceu na sexta: foi cesta!

Por Ulysses Faria

O Bandeirantes enfrentou o Pentágono sexta-feira, 12/08, no basquete infantil masculino. No fim: 40×10 para o time da casa.

Antes mesmo da partida, o técnico Gildásio Barreto, do Pentágono, não confiava em uma vitória: “Iniciamos o trabalho esse ano”. Além disso, Barreto percebeu que a vitória seria difíicil, já que tinha 3 desfalques. Do outro lado, Paulo Godoi, mesmo técnico da equipe juvenil, disse: “A expectativa é sempre que uma equipe supere a  outra”.

Apesar da derrota, Barreto elogiou o InterBand e disse que serve de preparo para outros torneios: “Todo mundo quer participar do torneio. Primeiro pela organização, segundo pelo nível técnico”.

Arqui vence por 39×00

Por Maria Carla M.

Imagem 015

No jogo de hoje, de basquetebol pré-mirim feminino, o Arqui  venceu por 39 a 0 do CEB.

O time do CEB contava com atletas de menor porte físico e com menos experiência. “Eu já esperava este resultado porque meu time é iniciante” disse o técnico Gustavo Winther do CEB.

Por outro lado o time do Arqui já joga junto há dois anos e meio, como disse o assistente técnico Thiago Costa que se mostra confiante quando aos resultados da equipe durante o campeonato.

O destaque da partida foi Giovana Mosquin, do Arqui. Porém sete das nove jogadoras do time marcaram pontos. “O jogo foi disputado, mas deu pra vencer com facilidade” disse Giovana.

Confira a entrevista com o assistente técnico do Arqui, Thiago Costa:

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=2Ola8BjSRJA]

Time unido jamais será vencido

Por Ulysses Faria

Basquete[2]Ontem o Bandeirantes venceu o Vértice por 56 a 8. Justificativas de ambos os lados. Do lado dos vencedores, o técnico Paulo Godoi disse: “Eles gostam de jogar juntos, e isso faz ficar mais fácil”. Já do outro lado, o técnico da equipe do Vértice argumentou que sua equipe não jogava junta há 2 meses.

Outro bom motivo para a vitória do Bandeirantes na partida de ontem é o currículo dos atletas. “Muitos já jogam juntos desde as categorias inferiores e outros jogaram basquete em clubes antes de entrar na equipe da escola”, conta Godoi.

Quanto à pressão, o técnico do Bandeirantes disse que tenta evitar o sentido negativo da responsabilidade por bons resultados já que, segundo ele, o time juvenil não só vem jogando bem há 4 anos, como também serve de exemplo para os jogadores das categorias inferiores.

Magrão, do Internacional, esteve no InterBand

Por Cláudia Cris, especial para o Blog do InterBand

Magão e seus filhos no InterBandO jogador Magrão (Márcio Rodrigues), atualmente no Internacional de Porto Alegre, esteve no InterBand acompanhando a partida de Basquetebol de seu filho, Matheus, aluno da Escola Villare.

“Como o esporte é muito importante na educação de uma criança, incentivo meu filho a se exercitar”, contou o volante.

Falou ainda que, se não fosse o Futebol, não teria as oporunidades que teve na vida. “Tudo que consegui até hoje foi em decorrência de me destacar como jogador profissional”, finalizou.

Tal pai, tal filha

Por Mariana e Sophia

Com a vitória do Arqui sob o Band, a etapa feminina de basquetebol Pré-mirim do Interband 2009 chega ao fim.

A pesar de se tratarem de times tradicionais, a partida foi desequilibrada, com a equipe da casa estacionando em 5 pontos, permitindo o adversário abrir a vantagem até os 38.

O destaque ficou com a jogadora bandeirantina que acertou a cesta errada: um aro mais baixo é colocado na frente do regular devido à baixa estatura das jogadoras da categoria.

Outro ponto alto foi o apoio dos familiares das atletas do Arqui que, como Everaldo Nogueira pai de Isabela (12) e Gabriela (11), estão sempre presentes de corpo, alma e câmera na mão para curtir o momento junto à equipe. O entusiasmo não se restringe aos pais: “Amanha a gente vai andar no corredor e gritar muito pra comemorar”, diz Isabela, seguindo o entusiasmo familiar.

Band se despede de seu “Dream Team”

Por Joaquim Eugênio

O time de basquete juvenil do Colégio Bandeirantes fez sua despedida nesta quarta-feira (dia 2) após ganhar seu 32º título, por 27 a 16, na final contra o Colégio Arquidiocesano.

O “dream team” do Band fechou com chave- de- ouro seu legado de invencibilidade no InterBand 2009. O time foi formado na 5ª série pelo professor Paulo Godoi que acompanhou e treinou seus jogadores e amigos até o final do 3º ano do Ensino Médio completando assim, 7 anos de basquete.

“Fiquei muito feliz por fechar um ciclo e conquistar todos os meus objetivos, porém é uma tristeza deixar de treinar com o Godoi e com meus companheiros”, declarou Allan Morrel, 17, jogador do time, “Agradeço aos meus colegas de time, pois são amigos para uma vida e ao Godoi, que foi alguém com quem aprendi muito e me deixou valiosas lições de vida”, completou.

“São sentimentos distintos: Por um lado, fiquei feliz porque além de ter formado campeões, daqui saem homens íntegros e ‘foras de série’, mas por outro, triste, pois eu treinei o time desde a liga pré-mirim; aqui termina uma jornada”, explicou Paulo Godoi, 34, treinador do time.